PESQUISAR

terça-feira, 24 de abril de 2018

''GOVERNO DO DINO'':após querer espionar adversários, deputados propõe intervenção nas eleições no MA

Do Atual 7 - Reação ocorre após documentos da SSP/MA revelarem ordens aos policiais do interior do estado para que passem a monitorar adversários políticos de Flávio Dino.

Deputados vão pedir intervenção federal nas eleições no Maranhão
Deputados estaduais do Maranhão devem pedir oficialmente, nesta segunda-feira 23, intervenção federal no processo eleitoral 2018 no estado.
O deputado Wellington do Curso (PSDB), que já teria sido alvo direto desse tipo de espionagem, disse que a perseguição sempre foi uma marca do governo Dino.
“Ele persegue e se vinga de quem não concorda com ele. É ditatorial. Agora tenta usar a máquina pública para perseguir adversários políticos. É inadmissível esse ato de improbidade, ainda mais vindo de um ex-juiz federal. Não vamos admitir esse evidente atentado ao Estado Democrático de Direito”, disse.
Por meio das redes sociais, o governador do Maranhão alegou que a ordem não partiu dele e que mandou demitir o oficial que assinou o documento. Ainda segundo Dino, esse documento não tem valor legal.
“Não ordenei, não autorizei, não concordei. Mandei demitir o oficial que assinou aquele papel sem nenhum valor legal. Ele responderá a um processo disciplinar”, disse o comunista.
Na semana passada, após o caso ganhar repercussão nacional, a Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) informou que foi instaurado um procedimento para apurar o caso, e pediu esclarecimentos ao governo do Maranhão. Segundo a PRE/MA, o documento fere a Constituição e a ordem pode ser considerada abuso de autoridade porque usa agentes públicos para beneficiar um candidato ou partido político.
“O memorando não esclarece ou motiva de forma idônea as razões da necessidade do ‘levantamento eleitoral’ solicitado. Também não observa direitos fundamentais presentes na Constituição que garantem a liberdade de manifestação e de expressão, bem como o livre exercício da convicção política”, disse trecho da nota da Procuradoria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário