PESQUISAR

domingo, 28 de janeiro de 2018

Eduardo cunha vai continuar preso; veja

O vice-presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), ministro Humberto Martins, negou o pedido de habeas corpus da defesa do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB). O recurso tentava a suspensão da ação penal contra o político (eis a íntegra). Cunha foi denunciado pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa.
O ex-deputado está preso preventivamente desde outubro de 2016 por decisão do juiz federal Sérgio Moro. Cumpre pena no Complexo Médico Penal de Pinhais (PR), na Grande Curitiba.
Ao STJ, a defesa de Cunha argumenta que a Justiça Federal do Distrito Federal rejeitou 1 total de 48 pedidos de diligência formulados pelos advogados do político. O habeas corpus cita que a primeira instância não analisa “qualquer dos requerimentos, parecendo […] 1 recorta/cola padrão que se presta a qualquer requerimento de tão evasiva e sem fundamentos que é”.
Na decisão, o ministro Martins diz  não ver nenhuma ilegalidade e destacou que o juízo de primeiro grau classificou como desnecessárias as diligências, já que a própria defesa poderia providenciar a apresentação dos documentos requeridos –sem haver, portanto, a necessidade de intervenção judicial.

Poder360, Douglas Rodrigues

Nenhum comentário:

Postar um comentário