PESQUISAR

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Deputado federal e pré-candidato a senador Weverton Rocha é o mais faltoso da bancada Maranhense na Câmara Federal

Investigado pelo Supremo Tribunal Federal por crimes de peculato e corrupção ativa e passiva, Weverton Rocha (PDT) foi o deputado federal maranhense que mais faltou em 2017. Com 43 faltas o equivalente a 36,1% das 119 sessões, o pré-candidato ao Senado é o maranhense mais faltoso entre os 18 que representam o estado na Câmara Federal.

Caso fosse levado em consideração o critério de presença mínima, 75%, assim como é aplicado na Educação brasileira, Weverton Rocha estaria reprovado por excesso de faltas. Todas as 43 ausências foram justificadas e apresentam o status de “missão autorizada” no site da Câmara Federal.

Procurado para comentar sobre suas ausências, Weverton Rocha justificou: “Fui líder da bancada do PDT na Câmara dos Deputados em 2016 e 2017, uma atividade que implica reuniões, articulações e atuação que às vezes acontecem na Câmara, mas não em plenário”.
Questionado sobre o fato de ser pré-candidato ao Senado seria a justificativa para tantas faltas, Weverton desconversou e não deixou claro se vai pedir licença para se dedicar a pré-campanha. “Essa é uma decisão que tomarei ou não de acordo com uma avaliação de necessidade”, explicou.

O levantamento das faltas é com base nos dados fornecidos pela Câmara Federal. Foram levados em contas, os deputados federais maranhenses que estiveram no cargo ao longo de 2017 na condição de titular.

Além de ausente do plenário, Weverton Rocha enfrenta processos no Supremo Tribunal Federal e no Tribunal Regional Federal. No STF, os Inquéritos 3621 e 3394, apontam crimes contra Lei de Licitações, peculato e corrupção. O primeiro caso investiga a suspeita de irregularidades na contratação de emergência para obras do ginásio Costa Rodrigues quando o deputado foi secretário estadual de Esporte no governo Jackson Lago. A segunda investigação apura se Weverton participou de desvios de verbas no Ministério do Trabalho, quando era assessor especial do ministro Carlos Lupi, por meio da contratação irregular de ONGs. No TRF, Weverton é investigado por danos ao erário em relação aos recursos do FNDE.

Em relação a essas investigações, Weverton enviou uma declaração do STF para fins eleitorais afirmando que “nada consta”, o que só revela que ele não está condenado.

Além de Weverton Rocha, os deputados André Fufuca (PP) e Júnior Marreca (PEN) também estão entre os mais faltosos. O presidente do PP faltou a 40 sessões das 119 sessões (33,6%%), todas elas sob a justificativa do exercício da atividade parlamentar. Enquanto isso, o ex-prefeito de Itapecuru-Mirim faltou 35 vezes, 12 sem justificativas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário