terça-feira, 25 de outubro de 2016

Cármem Lúcia rebate: 'Também fui agredida. Exijo respeito'

Veja.com - A presidente  do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármem Lúcia, saiu nesta terça-feira(25) em defesa do juiz Vallisney de Souza Oliveira, que autorizou  a prisão de quatro policiais legislativos na Operação Métis. A ação que foi duramente criticada pelo presidente do senado, Renan Calheios (PMDB-AL), que chamou o magistrado  de ''juizeco'' o ministro da Justiça , Alexandre Moraes, de ''chefete de polícia''. Renan ainda classificou como ''fascistas'' os métodos da ação deflagrada na última sexta-feira.
Sem citar  nomes, Cármem Lúcia exigiu respeito á categoria e disse  se sentido agredida com as ofensas a Vallisney. ''Não é admissível que, fora dos autos, qualquer juiz seja diminuído ou desmoralizado. Como eu disse, quando  um juiz é destratado eu também sou. Exigimos o igual respeito para que tenhamos uma democracia fundada nos princípios constitucionais'', disse a ministra, em sessão no Conselho Nacional de Justiça, nesta terça-feira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário